Estresse Pré-Vestibular

No Brasil é utilizado o sistema de provas de admissão escrita para a entrada em cursos universitários, os chamados ( e temidos) vestibulares.

Todos os anos, milhares de jovens brasileiros se submetem a um sistema que consiste em uma série de questões para mensurar seu nível de conhecimento e afunila quem poderá entrar em uma instituição de ensino, sendo normalmente as de caráter público ( federal/estadual) com o maior nível de concorrência.

Não levando em consideração se o atual sistema é justo ou não, tão comum quanto os vestibulares, são os chamados estresse pré-vestibular, ou ansiedade de desempenho.

Todos os sintomas da ansiedade aparecem com um único foco, o dia da prova, porém sentir isso é natural e esperado, porém em grandes quantidades pode vir a atrapalhar o desenvolver da prova, os famosos e terríveis  “brancos”.

Em Novembro de 2008, o psiquiatra Daniel Guzinski e a psicóloga Cátula Pelisoli, publicaram na revista de psiquiatria da Universidade de São Paulo (USP), um trabalho que realizaram com 1.046 estudantes de Porto Alegre, onde verificaram a intensidade de ansiedade dos que se preparavam para o vestibular. A pesquisa mostrou 23,5% dos vestibulandos apresentaram ansiedade considerada moderada ou grave. Um dado relevante é que, para eles, a sensação de obrigação de prestar vestibular e o fato de considerá-lo como algo decisivo em suas vidas elevaram os níveis de ansiedade.

Dicas para os estudos e o dia da prova:

  • Pratique o auto monitoramento; ou seja, passe a perceber e a conhecer seu corpo e suas reações a ansiedade.
  • Treine técnicas de respiração; ao perceber que os sinais da ansiedade estão aparecendo, passe a respirar de forma correta. Respirar de forma ritmada e mais lentamente ajuda a regular o fluxo sanguíneo, batimentos cardíacos, entre outros sintomas ansiosos.
  • Conheça as regras do vestibular que irá prestar;
  • Monte um cronograma de estudos baseado nos vestibulares que irá prestar;
  • Respeite seus limites; estudar horas a fio, sem descanso ou tempo para alimentação e sono é desperdiçar tempo.
  • Tente ao máximo não mudar a resposta que marcou na prova; revisar é uma coisa, mudar pois achou uma resposta mágica para a questão é outra bem diferente.
  • Tenha um lugar de estudo limpo, organizado e livre de estímulos externos.
  • Se alimente de forma correta e não esqueça de se hidratar.
  • Procure um psicólogo; muitas vezes questões muito mais profundas estão enraizadas no estresse pré-vestibular, tais como medo de errar, pensamentos dicotômicos ( se passar sou um sucesso, se não serei um fracasso), entre outros.

Bons estudos.

Quando minha ansiedade vira um problema

Quando se fala de ansiedade, a primeira coisa que temos que entender é que a ansiedade é algo natural, presente em todos os seres humanos e que tem uma função em nossa vida que não é necessariamente algo ruim.

A ansiedade serve para nos deixar em estado de alerta, aumentando assim nossa capacidade de responder rapidamente a situações de estresse.

Ela funciona realmente como parte do nosso sistema de defesa, como um grande alarme que soa e nos deixa atentos toda vez que percebemos que algo não está certo ou que merece nossa completa atenção.

“Ta, tudo bem Rodrigo, mas eu detesto ficar ansioso” você deve pensar. Mas tente olhar da seguinte forma: você detesta estar ansioso, vai fazer de tudo para terminar logo aquela situação e assim deixar de sentir-se ansioso…bingo, o seu sistema de alarme fez seu papel.

A grande questão é quando seu sistema de alarme ( ansiedade) fica “desregulado”, soando assim em situações que não são necessárias tanto alarde, como por exemplo frente a situações sociais que seu alarme soa insistentemente e te trava no que deveria fazer (fobia social), na frente de determinado animal que seu alarme fica enlouquecido e não te deixa pensar em mais nada ( fobias especificas), em situações corriqueiras e que de repente ele soa tão alto que parece que vai te fazer um terrível mal ( ataque de pânico), ou frente a terrível situação de andar com o alarme soando dia e noite ( ansiedade generalizada).

Como saber se a ansiedade deixou de ser “normal” e passou a ser um problema ( patológica)?

Quando estava na faculdade de psicologia, o professor de Psicopatologia apresentou uma forma simples de entender se algo passou da linha de normalidade: o FIDI.

F: Frequência

I: Intensidade

D: Duração

I: Interferência

Se a resposta para qualquer uma das 3 primeiras letras for “ muito “, então certamente a última letra, a interferência, vai estar prejudicada.

É quando a frequência, intensidade  e/ou duração estão tão altas que passam a interferir no seu dia-a-dia.

Quando perceber que sua ansiedade estiver caminhando para receber “altas notas no FIDI”, você deve procurar a ajuda de um psicólogo de sua confiança.