Alcoolismo e seus problemas

O álcool está presente em nossa história a vários séculos, acreditando-se ter surgido na época pré-histórica, 10.000 anos atrás, quando o homem domina a agricultura e passa  criar artefatos de cerâmicas.

Dentre as diversas lendas quanto ao consumo excessivo do álcool, podemos citar a história de Noé, que após desembarcar com os animais do diluvio, cultiva uvas e faz vinho. Bebe em comemoração a ponto de gritar, cantar e tirar as roupas, de acordo com relatos do Velho Testamento ( Genesis, 9:21) .

Outra história marcante com o álcool é de Alexandre, O Grande, que depois de uma grande conquista bebe tanto que desmaia e dias depois morre de uma doença desconhecida, hoje relacionada a problemas no fígado.

Embora presente em todas as culturas, em todas as épocas, o álcool sempre sofreu tentativas de controle. Proibições ao seu uso na história recente dos Estados Unidos não só não obteve o efeito desejado, como fortaleceu o crime organizado que enriqueceu na produção e venda de álcool ilegal.

O consumo moderado de alguns tipos de bebidas alcoólicas podem ser relacionados a benefícios a saúde, porém como saber se isso passou dos limites?

Alguns sintomas do alcoolismo são:

  1. Desejo intenso ou compulsão para ingerir bebidas alcoólicas.
  2. Tolerância: necessidade de doses crescentes de álcool para atingir o mesmo efeito obtido com doses anteriormente inferiores ou efeito cada vez menor com uma mesma dose da substância;
  3. Abstinência: síndrome típica e de duração limitada que ocorre quando o uso do álcool é interrompido ou reduzido drasticamente.
  4. Aumento do tempo empregado em conseguir, consumir ou recuperar-se dos efeitos da substância; abandono progressivo de outros prazeres ou interesses devido ao consumo.
  5. Desejo de reduzir ou controlar o consumo do álcool com repetidos insucessos também são sintomas do alcoolismo.
  6. Persistência no consumo de álcool mesmo em situações em que o consumo é contraindicado ou apesar de provas evidentes de prejuízos, tais como, lesões hepáticas causadas pelo consumo excessivo de álcool, humor deprimido ou perturbação das funções cognitivas relacionada ao consumo do álcool.

Sabendo desses sintomas , algumas perguntas podem ser feitas para começar a se pensar se alguém se encaixa como alcoolista:

  1. Já tentou parar de beber por uma semana (ou mais) sem sucesso?
  2. Fica irritado quando alguém questiona sobre o seu consumo de álcool ou o tenta fazer parar?
  3. Já tentou controlar a quantidade de álcool ingerida substituindo uma bebida por outra?
  4. Já consumiu bebida ou sentiu necessidade de beber bebida alcoólica pela manhã nos últimos meses?
  5. Sente inveja de pessoas que conseguem controlar o consumo de bebidas alcoólicas sem criar problemas?
  6. Percebe que o problema com as bebidas vem se agravando com o passar do tempo?
  7. A bebida alcoólica já criou problemas no seu lar?
  8. Tenta conseguir doses extras em festas ou reuniões sociais onde as bebidas são ilimitadas?
  9. Apesar de confirmar a maioria das perguntas acima e outros fatores, continua afirmando que consegue parar quando quiser?
  10. Faltou ao serviço durante os últimos meses por causa das bebidas?
  11. Já sofreu apagões por decorrência do consumo do álcool?
  12. Já pensou que poderia aproveitar muito mais a vida sem consumir álcool?

Se os sintomas do alcoolismo te chamam a atenção em alguém, ou sem si mesmo, e responde afirmativamente na maioria das perguntas acima, é o momento de procurar ajuda.

Independente do nível do problema, todos temos o direito de procurar ajuda profissional. Médicos, psicólogos, associações civis entre outros estão aptos a ajudar.

Procure ajuda.

Fontes utilizadas: http://www.alcoolismo.com.br