O idoso volta a ser criança?

De acordo com estimativas feitos pelo IBGE, tomando como base o censo de 2010, a população idosa ( acima dos 60 anos) deve passar dos atuais 14,9 milhões (7,4% da população), em 2013 , para 58,4 milhões ( 26,7% da população) em 2060.

Em tese isso fara que a população idosa se torne maior que a de crianças, em 2060.

Claro que são projeções, expectativas baseadas em censos atuais, e isso não são cálculos precisos, porém apenas demonstra algo que no momento todos devem prestar atenção: a população idosa está se tornando uma parcela expressiva de nossa sociedade, e nós seremos os idosos desse futuro.

Podemos falar sobre diversos aspectos do envelhecimento, sendo levantadas questões médicas e biológicas, sociais e econômicas, porém dentro disso gostaria de levantar um único ponto que sempre me fez pensar ( e me incomodava). Escutei por diversas vezes a expressão que o Idoso volta a ser criança.

Isso era dito por pessoas que queriam bem seus idosos, muitas vezes sem nenhuma maldade ou algo do tipo incutido. Mas, vamos parar para pensar um pouco sobre isso?

Quando dizem que idosos voltam a ser crianças, a maioria esmagadora das vezes,  se dá em conotação que o individuo “deixa de seguir as regras, fala o que pensa, faz o que quer”.

Será mesmo isso que acontece?

Pensando em uma simples análise da questão,  a prior podemos perceber a enorme diferença entre os comportamentos infantis quanto a isso, e a do idoso. A criança se comporta dessa maneira ( faz e fala o que quer) pois ainda não tem no seu repertório as regras sociais vigentes, em resumo, se comportam assim pois não sabem que isso não é socialmente aceito.

Com idosos isso é bem diferente, sendo muitas vezes explicado seu comportamento por uma condição médica ( demências por exemplo),  outras vezes por entender muito bem das regras sociais vigentes, porém devido a sua experiência de vida escolhe simplesmente não seguir, pois “ ninguém liga”

Essa ideia geral de que ninguém liga para o comportamento do idoso é exemplificada pelo ditado de que idoso volta a ser criança, pois se formos analisar ninguém leva verdadeiramente a sério uma criança.

Se a criança fala algo inapropriado se releva, pois é “criança, não sabe o que faz”, o mesmo que o idoso, pois “ esta velho mesmo”.

Retratar o idoso como uma criança que viveu muito, não é algo bondoso e sim dizer que no fundo, tem se a ideia de que aquele individuo não deve mais ser levado a sério.

O idoso não voltou a ser criança, nenhum de nós em nenhum momento volta a ser de fato uma criança, e deve ser tratado como individuo capaz de entender e interagir com o seu meio, claro que com limitações e muitas vezes com mudanças drásticas de representação de papeis sociais.

Não podemos esquecer jamais que amanhã, se tudo correr bem, os idosos seremos nós.

Fonte utilizada